Home » Cuidadores Informais, Geriatria

O Papel da Família no Apoio ao Idoso

4 January 2011 37,177 views No Comment

Acompanhar o idoso, no seio da família, é uma experiência que acarreta fortes sentimentos de gratificação para as pessoas que mantêm um vínculo afectivo forte com este, nomeadamente, a família e outras pessoas significativas, que têm oportunidade de desempenhar um papel fundamental no apoio ao seu ente querido.

Segundo o conceito clássico de família, elaborado por George Murdock em 1949, a família consiste no “(…) grupo social caracterizado por residência em comum, cooperação económica e reprodução. Inclui adultos de ambos os sexos, dois dos quais, pelo menos, mantêm uma relação sexual socialmente aprovada, e uma ou mais crianças dos adultos (…)”.

Hoje em dia, após as transformações sociais e culturais que têm vindo a ser observadas ao longo do tempo, sabemos que este conceito de família se mantém válido, mas foi profundamente transformado. Assim, a família inclui não só o nosso agregado familiar, como os familiares mais alargados com quem estabelecemos laços afectivos fortes e também pessoas que, mesmo com quem não temos laços de sangue, desempenham uma função vital no apoio e cuidados dos nossos entes queridos.

A imagem do idoso na sociedade tem também vindo a sofrer profundas alterações. Se antes o idoso era visto com respeito e o seu papel na sociedade era determinante, no aconselhamento e decisão sobre matérias importantes, hoje em dia, numa sociedade onde a produtividade e a actividade profissional são mais valorizadas e o envelhecimento é visto exclusivamente como um conjunto de perdas de capacidades, o idoso é tido como um fardo.

A transição do estado adulto para a velhice é um processo que provoca grandes alterações na auto-estima e auto-imagem destas pessoas, que deixam não só de ser valorizadas pela sociedade, como passam também a necessitar de outro tipo de apoios. Citando a autora Josias Gyll, “a maioria dos idosos não vive, existe. E, existir sem ser visto é uma espécie de morte”.

Tendo em conta estes aspectos, a família representa um meio protegido, onde o idoso pode manter um papel activo e importante, se os restantes membros da família estiverem despertos para estas situações.

A pessoa idosa, no seio da família, mantém-se como um importante recurso. Quando considerado, o idoso é, não só uma referência a nível de conhecimentos e aconselhamento, uma pessoa que já viveu mais e tem uma experiência de vida que deve ser valorizada, como também uma mais-valia na participação nos cuidados e contacto com as gerações mais novas. Ser um avô participante, no seio da família, representa uma fonte de gratificação para o idoso e um importante laço estruturante na educação dos mais novos.

Neste contexto, o papel da família no apoio ao idoso passa por valorizar a pessoa em questão: os seus conhecimentos, opiniões e aconselhamentos. Para além disso, passa por garantir que, em caso de necessidade, o idoso tem acesso aos apoios e cuidados necessários à sua saúde.

Um dos principais problemas no idoso consiste no isolamento social e em sentimentos de solidão. Também em relação a estes aspectos a família pode agir activamente, integrando o idoso nas suas actividades do dia-a-dia.

O estilo de vida actual dificulta a presença da família no cuidado ao idoso – no entanto, existem muitas possibilidades de conciliar estes papéis através das diferentes estratégias disponíveis nos serviços de saúde e quando os elementos da família são capazes de distribuir responsabilidades e de se ir revezando entre si.

Em caso de doença, estas necessidades encontram-se acentuadas e a presença da família é determinante para o acompanhamento e qualidade de vida do idoso.

Apesar de estas questões serem alvo da preocupação dos profissionais de saúde e de ciências sociais, existe, ainda hoje, na nossa sociedade, uma grande falta de infra-estruturais, recursos humanos e respostas sociais, capazes de satisfazer a real dimensão das necessidades da nossa população idosa.

Assim a família, enquanto cuidadora informal, poderá representar a resposta mais adequada para o cuidado ao idoso, se tiver disponíveis os recursos e apoios indicados.

Leave your response!

Add your comment below, or trackback from your own site. You can also subscribe to these comments via RSS.

Be nice. Keep it clean. Stay on topic. No spam.

You can use these tags:
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

This is a Gravatar-enabled weblog. To get your own globally-recognized-avatar, please register at Gravatar.